CEPRID

A resistência de Gaza quebra o mito israelense

segunda-feira 21 de Junho de 2021 por CEPRID

Alberto Cruz — Cientista Político

Ceprid

Destruição, morte em Gaza. O de sempre? Não. Pela primeira vez nos ataques israelenses à Faixa de Gaza, estamos testemunhando um novo equilíbrio estratégico entre as forças palestinas que vivem lá e Israel. Uma declaração fantasiosa ou arriscada? Para nada. Os meios de propaganda (anteriormente chamados de comunicação) estão repetindo o mesmo discurso indefinidamente e colocando as mesmas imagens em que aparece a superioridade israelense. No entanto, Israel está sofrendo enormes danos sociais, políticos, econômicos e militares como nunca antes.

Antes de aprofundar as razões pelas quais esta agressão contra Gaza é muito diferente das anteriores, algumas observações preliminares devem ser feitas e elas têm a ver com as razões de tudo isso. Alguns argumentaram que é a enésima tentativa do primeiro-ministro Netanayhu de romper o impasse que o impede de estar no comando, novamente, do governo; outros, que se trata de impedir que o processo judicial contra ele por corrupção seja encerrado. Ninguém usa o argumento que circula entre os palestinos de que é uma forma de reforçar o Fatah diante das eleições que o chamado presidente palestino, Mahmoud Abbas, prometeu em janeiro deste ano e que em abril adiou novamente (as últimas generais foram em 2006 e vencidos pelo Hamas por maioria absoluta, obtendo 76 das 132 cadeiras). Formalmente, "até que você possa votar em Jerusalém Oriental"; na prática, por medo de perdê-los novamente, já que a Fatah é a coisa mais próxima de uma gaiola de grilos que existe hoje na Palestina, com várias tendências que tentaram se apresentar.

A desculpa de Jerusalém Oriental não é nada mais do que isso, uma desculpa, já que a erroneamente chamada "Autoridade Palestina" não levantou um dedo ante as constantes reivindicações de Israel de expulsar os residentes árabes daquela cidade. A penúltima, a tentativa de expulsar 38 famílias do bairro Sheikh Jarrah (favorecido por uma resolução da Suprema Corte de Israel) e que, como de costume, Israel acompanhou o ataque a manifestantes e crentes na mesquita de Al-Aqsa.

Até agora, tudo mais ou menos "normal". Mas a resposta veio de onde não era esperada. De Gaza. O Hamas (junto com a Jihad Islâmica) disse que atacaria se Israel não parasse de oprimir a população de Jerusalém. Israel ignorou o aviso, presumindo que seria uma bravata. Não era. Israel respondeu como de costume, atacando Gaza. Mas novamente ela estava errada porque não foi capaz de evitar a intensidade da resposta palestina na forma de centenas de foguetes atingindo várias cidades, incluindo Tel Aviv. Aqui o mito israelense começou a ser quebrado porque embora uma derrota militar seja impensável, o enorme dano que esses foguetes causaram, e estão causando, em Israel é verificável. E não apenas, também na própria "Autoridade Nacional" e na famosa "comunidade internacional" onde a história da "democracia liberal" foi explodida (literalmente, com a explosão por Israel de uma sede da mídia internacional).

Os danos causados pela resistência palestina não se veem, ou se escondem por trás das imagens, sempre chocantes, mas avassaladoras: nas duas semanas que durou a agressão (no momento da redação) os prejuízos econômicos sofridos por Israel é histórico: nunca, em nenhum dos ataques anteriores a Gaza, e nem mesmo durante as intifadas, as perdas na bolsa de Tel Aviv atingiram 28%, mais de 26% das fábricas e empresas na área próxima a Gaza estão completamente fechadas , que no resto do país as empresas e fábricas reduziram as suas operações em 17%, que os principais aeroportos (Tel Aviv e Eliat) tiveram de suspender todos os seus voos. Como se tudo isso não bastasse, o governo israelense manteve em segredo por 10 dias que os foguetes de resistência estavam muito próximos de atingir uma das plataformas marítimas de extração de gás natural. Foi o caso de Tamar, localizada a 24 km da cidade (também atacada) de Ashkelon e, como resultado, todas as plataformas de extração de gás na área foram fechadas. Um dos jornais israelenses, Yedioth Ahronoth, em sua edição de 18 de maio, quantificou isso dizendo que o valor econômico das perdas para Israel é de 34 milhões de dólares por dia, acrescentando que são "quase iguais às perdas de 51 dias de guerra em Gaza em 2014”. Em outras palavras, Israel perde em um dia o que perdeu em 51 dias há sete anos.

É a primeira vez que algo assim acontece e é um sinal da força militar da resistência. E o mundo está vendo (embora não o mostre em suas imagens) as capacidades bloqueadoras que supõe uma continuidade de agressão. Isso representa um novo equilíbrio estratégico que todos devem levar em consideração. Israel está atacando com uma estratégia de fogo remoto e os palestinos estão respondendo com o mesmo, com fogo remoto (além da batalha de idéias e de retomada de Jerusalém). É uma troca de ataques com diferentes efeitos: o destrutivo físico de Israel e o destrutivo econômico da resistência palestina. A duração dessas perdas, conforme informa o jornal citado, é nova, e agora são mais de duas semanas. Estamos em um cenário que depende apenas de qual dos dois melhor resiste ao impacto dos danos. Porque devemos ter em mente que os objetivos de Israel em Gaza são finitos (a menos que nos digam que destruíram a casa de um amigo de seu vizinho primo de um comandante do Hamas ou Jihad), embora não possa sustentar suas perdas econômicas por muito mais tempo. Aqui devemos fazer uma observação: no caso da resistência, um dado a levar em conta é o tamanho dos estoques dos foguetes e a média de disparos até agora é de cerca de 200 por dia. À medida que eles estão exaustos, a intensidade dos ataques de resposta diminuirá. Talvez seja isso que Israel espera, que é obrigado a acabar com a agressão para reduzir as perdas não só econômicas, mas também de imagem.

Porque as imagens de Gaza estão fazendo seu trabalho; enquanto as lideranças dos países ocidentais estão com Israel (destruindo o mito da "democracia liberal"), as opiniões públicas não estão. Isso está sendo visto com muita clareza nos países árabes que estabeleceram relações diplomáticas com Israel, onde a censura é notória, embora não seja com as redes sociais. É o caso de Omã, Emirados Árabes Unidos e Marrocos, principalmente. O resto dos países árabes e muçulmanos não vão além das declarações, mais ou menos ameaçadoras, mas simples retórica. No entanto, se o Hamas sobreviver, e sobreviverá, poderá contar com sólidas parcelas financeiras (o que lhe permitirá restaurar o arsenal de foguetes e mísseis) para restaurar Gaza, capitalizando sobre as vítimas e reforçando seu papel como principal organização palestina.

Porém, e embora ainda não se veja como o mundo árabe assimilará o que está acontecendo, se há uma revitalização da resistência ou não (não só a nível militar, mas também a nível popular), o fato é que lá é uma nova realidade sobre a terra. Israel não consegue criar uma imagem de vitória (apesar da propaganda na mídia e de que as imagens de destruição em Gaza são mais "impressionantes" do que as de Ashkelon, Ashdod ou Tel Aviv) e a batalha já está em uma direção paralela que vai além dos mortos porque está ligado ao tamanho das perdas. E para Israel eles são enormes e não tem nada a ver com os mortos. Porque aqui você tem que introduzir outra equação: Hezbollah. Porque se depois de duas semanas ele não conseguir dominar Gaza, ele será menos capaz contra alguém muito mais preparado.

E, a propósito, o mito da famosa "Cúpula de Ferro" desapareceu, assim como desapareceu a eficácia dos mísseis anti-mísseis "Patriot" na Arábia Saudita. E isso com mísseis de pouca precisão. O Irã está sorrindo. Se os próprios israelenses forem ouvidos, 50% dos foguetes lançados pela resistência palestina ameaçaram áreas povoadas (daí os danos econômicos), uma proporção muito surpreendente e significativa de como a tecnologia de resistência avança. Já que na agressão de 2014 foram 18 %. Por mais que se diga que "quase 90%" dos foguetes foram interceptados, Israel está cada vez mais vulnerável e seus sistemas antimísseis mais permeáveis do que se diz. Porque agora apareceu um fato novo: menos foguetes caem em campos vazios e vão cada vez mais longe. O fato de chegar a Tel Aviv, que fica a 55 km de Gaza, é um indicativo a levar em conta. Se for preciso prestar atenção também às línguas, o "choque e pavor" dos ataques de Israel a Gaza é também o dos ataques da resistência a Israel (e aqui é curioso como Israel chamou sua agressão de "Guardião dos Muros", e como a resistência palestina o fez de "Espada de Jerusalém"): o presidente da Associação de Ajuda Psicológica de Israel reconheceu "um aumento sem precedentes no nível de terror na sociedade israelense, já recebemos mais de 6.000 pedidos de ajuda e tratamento em várias partes do país." A isso deve ser adicionado que "mais de 4.000 israelenses solicitaram compensação por danos às suas casas, móveis, veículos e propriedades."

Netanyahu disse há não muito tempo, exultando com o estabelecimento de relações diplomáticas com outros países árabes, que Israel não é uma potência regional, mas uma superpotência. Talvez o que ele tivesse em mente fosse o “Grande Israel”, o plano sionista de anexar partes do Líbano, Jordânia, Síria, Egito, Iraque e Arábia Saudita e que hoje tornaria vassalos esses países vulgares (alguns como Egito, Jordânia, Omã, Marrocos, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, com quem Israel fala e negocia há 15 anos, já estão). Mas esses ares de superpotência são em vão, já que a resistência palestina expôs, ao mesmo tempo que quebrou, seu mito e seu prestígio. O mesmo acontece quando grupos judeus atacam o Império Britânico (bombardeando hotéis cheios de gente, por exemplo): não o fazem para derrotá-lo, mas para quebrar seu prestígio e mito. Agora Israel recebe seu próprio remédio: os palestinos quebraram o mito.


Página de abertura do sítio | Contacto | Planta do sítio | Espaço privado | Estatísticas de visitas | visitas : 3292046

Acompanhar a vida do sítio pt  Acompanhar a vida do sítio Territórios  Acompanhar a vida do sítio Médio Oriente   ?

Sítio realizado com SPIP 1.9.2p + ALTERNATIVES

Creative Commons License